Como O Perfeccionismo Está Destruindo Sua Produtividade

Talvez você nem se ache perfeccionista (será?), mas vou te mostrar como o perfeccionismo pode destruir sua produtividade! Você sempre …

Compartilhe

Talvez você nem se ache perfeccionista (será?), mas vou te mostrar como o perfeccionismo pode destruir sua produtividade!

Você sempre se preocupa se fez ou não um bom trabalho?
Você sempre questiona o seu trabalho e as suas ações?
Você está sempre com medo de admitir os seus erros? 

Se sim, você está em perigo.

Eu não sou perfeccionista. Ao menos era isso que dizia para mim mesmo. Aposto que você também diz isso. De fato, as pessoas que não admitem o perfeccionismo são as piores.

Mas eis a questão: Se você é um perfeccionista, você é apenas um procrastinador com uma máscara. E isso não te torna diferente de alguém que é preguiçoso e não faz nada.

Não acredita em mim? Vamos dar uma olhada. Um perfeccionista…

  • Sempre espera o momento certo.
  • Nunca comete erros.
  • Sempre precisa de mais tempo.

Mas no final do dia, a vida e o trabalho se tratam de resultados. Resultados importam.

E se você é um perfeccionista você pode conseguir resultados algum dia. Mas a pergunta é: Quando? E, a que custo?

Pesquisas mostram especificamente que o perfeccionismo está intimamente relacionado à depressão e baixa auto-estima.

Perfeccionistas são seus próprios demônios.” —Jack Kirby

O preço do perfeccionismo realmente vale a pena?

Eu descobri que perfeccionismo é somente outra forma de procrastinação. Quando você se preocupa constantemente com erros, a dúvida inunda sua mente. E isso causa indecisão.

Existem dois tipos de perfeccionistas:

  1. Aquele que nunca começa. Você quer alcançar algo, mas imediatamente começa a duvidar de si mesmo. Você pensa: “Eu não acho que consigo fazer isso.” Então você nunca começa.
  2. Aquele que começa mas tem padrões muito altos. Você determina um objetivo. Você trabalha duro (talvez até duro demais). Mas você determinou objetivos tão altos, que você está sempre falhando consigo mesmo.

Ambos os cenários podem causar os seguintes sintomas: Ansiedade, preocupação, depressão e comportamento Tipo A.

Essas são coisas que queremos evitar. Joachim Stöber e Jutta Joormann, que estudaram Preocupação, Procrastinação, e Perfeccionismo, escreveram:

“A combinação de preocupação com erros e procrastinação pode ser um fator crucial na manutenção da preocupação. Por um lado, isso pode prolongar a existência de ameaças porque nenhuma medida é tomada para superar. Por outro lado, pode aumentar as ameaças existentes ou até produzir ameaças adicionais porque problemas inicialmente solucionáveis irão acumular, criando uma sobrecarga de problemas que podem, no final, se tornar insolúveis.”

E a sensação de se sentir indefeso é o fim do túnel para nós. Porque o que fazemos quando nos sentimos indefesos?

Exato—nós desistimos. Apenas dê uma olhada nos estudos sobre Aprendizado de Impotência (também conhecido como Desamparo Aprendido).

Entretanto, perfeccionismo nem sempre é ruim. De fato, alguns estudos sugerem que perfeccionismo é relatado como uma grande conquista. Mas essa não é a questão aqui.

É claro, quando você define objetivos mais altos e se você tem padrões altos; você alcança mais. Sem dúvida, tendências perfeccionistas podem ser uma boa coisa.

Mas como todos sabemos, alcançar objetivos não é a única coisa na vida. Se trata mais de COMO nós alcançamos nossos objetivos e aspirações.

“Como podemos combater o lado ruim da procrastinação e do perfeccionismo?”

Falamos sobre como procrastinação e perfeccionismo estão relacionados, e por que isso pode ser ruim. Mas qual é a solução?

Eu encontrei um estudo interessante de Gordon L. Flett e seus colegas; eles falam sobre o papel da desenvoltura aprendida para o perfeccionismo. Eles sugerem que desenvoltura aprendida pode ser um mediador.

Então comecei a pesquisar sobre desenvoltura aprendida. E isso foi o que encontrei em um artigo de Michael Rosenbaum:

“Desenvoltura aprendida se refere ao repertório comportamental necessário tanto para autocontrole regressivo quando para autocontrole reformista. Esse repertório inclui auto regular suas emoções e respostas cognitivas durante situações estressantes, usando habilidades para resolver problemas, e adiando gratificações imediatas para o bem de uma recompensa mais significativa no futuro.”

Desenvoltura aprendida é a habilidade que você precisa para parar de sabotar a si mesmo.

Encontrando um equilíbrio.

Vamos dar uma olhada para o oposto de um perfeccionista: Um desleixado.

Se você é um desleixado, você não se importa muito. Bom o bastante é seu lema. E você não tem ambição alguma.

Uma atitude como essa não leva você a lugar algum. O romancista americano Cormac McCarthy diz de uma forma melhor:

“É como muitas coisas, disse o ferreiro. Faça a menor parte errada e logo estará fazendo tudo errado.”

Desleixo é uma atitude de “eu não me importo.” Mas se você quer fazer as coisas acontecerem na sua vida, você precisa se importar.

E o que você quer é encontrar um meio termo onde suas tendências perfeccionistas o comandem, mas você precisa da calma de um desleixado, e você combina isso com desenvoltura aprendida.

Foi por isso que encontrei o equilíbrio entre o perfeccionismo e o desleixo. É mais ou menos assim:

Onde Você Precisa Estar

Faça um ótimo trabalho como um perfeccionista, mas não dê muita atenção para seus objetivos como um desleixado.

E finalmente, combine com isso:

  • Desenvoltura—Objetivos podem funcionar bem, mas eles também podem ser contraproducentes. É por isso que você quer depender de sistemas. E quando a merda pegar no ventilador; use suas habilidades de resolver problemas para resolver as coisas.

Para mim, esse é o ponto certo: Ao invés de se martirizar quando você comete um erro ou se você falhar, você se ajusta ou resolve o problema.

  • Evite a frase preferida de perfeccionistas: “Não está bom o suficiente!”
  • Evite também a frase preferida de desleixados: “Eu não ligo.”
  • Ao invés disso tudo, diga: “Eu resolvo isso.”

Qual é o seu desafio atual? Ou melhor, o que você vem procrastinando por  conta de ser “perfeccionista”?

Vou deixar você com uma frase famosa de um guru brasileiro de marketing digital: Feito é melhor que perfeito.

Apenas comece e ajuste ao longo do caminho, este blog mesmo demorou 4 anos para sair do papel, pois eu nunca me senti preparado para isso. Agora estou aqui, escrevendo algo que provavelmente vou sentir vergonha daqui alguns anos por conter erros de gramaticais ou por não conseguir expressar tão bem minhas ideias, mas eu dei o primeiro passo e sem ele eu nunca teria começado. 🙂

Continue Lendo

Mais >