Ser Um Gênio Exige Tempo E Muito Esforço

Humanos diferem em poder cerebral. Alguns pegam um começo melhor biologicamente, outros melhoram com o tempo. Nunca é demais repetir …

Compartilhe

Humanos diferem em poder cerebral. Alguns pegam um começo melhor biologicamente, outros melhoram com o tempo. Nunca é demais repetir que o caminho ideal para o máximo de realização é sempre através de um treinamento contínuo, independente se é um gênio ou não.

O cérebro é adaptável, e prática consistente pode criar habilidades que não existiam antes… Aprender não é um jeito de atingir seu potencial e sim de desenvolvê-lo.

Você pode criar seu próprio potencial.

Um cérebro genial em ação irá atacar um problema, rapidamente encontrar regras apropriadas, e derivar uma solução.

A grandeza está ao seu alcance se você a quiser o suficiente. “Seu chamado,” Frederick Buechner escreveu, “é o lugar onde sua maior alegria coincide com a maior necessidade do mundo.”

“O fato é, inteligência pode ser aumentada—e drasticamente,” escreveu o psicólogo de análise comportamental da Universidade Nacional da Irlanda Bryan Roche em Psicologia Hoje.

“Aqueles que dizem que o QI é fixado para a vida toda estão na verdade se referindo aos nossos pontos de QI, que são relativamente estáveis—não ao nosso nível de inteligência, que está sempre crescendo.”

Do Mozart ao Bill Gates, o trajeto de um gênio ao topo em suas áreas têm uma característica em comum:

Uma dedicação inabalável pela sua arte e comprometimento em expandir suas habilidades.

Grandes realizações em todas as áreas requerem horas de treinamento. Isso serve para música, xadrez, ciências, esportes e tudo mais. Buckminster Fuller disse, “Eu não sou um gênio. Eu sou apenas um punhado enorme de experiência.”

David Shenk, autor de “O Gênio Em Todos Nós”, diz que todos temos o potencial para sermos um gênio ou, no mínimo, grandes. A chave é deixar de lado o mito de que talento é inato. “Você precisa querer, querer tanto que nunca vai desistir, tanto que está pronto para sacrificar seu tempo, dinheiro, sono, amizades, e até mesmo sua reputação,” ele disse.

Quando você examina de perto mesmo os exemplos mais extremos de mentes criativas e inovadoras da história—Mozart, Newton, Einstein, Picasso—você percebe mais trabalho duro do que dom.

Um Gênio é feito com o tempo

Darwin levou cinco anos para coletar dados na sua viagem em Beagle para lançar sua visão do processo de evolução. E levou mais 20 anos para coletar o material necessário, e opiniões para criar coragem de publicar A Origem Das Espécies”.

O comprometimento extraordinário do jovem Mozart, sob orientação de seu pai, resultou no compositor mais prolífico e influente da era clássica. Com 6 anos de idade Mozard tinha 3500 horas de trabalho acumuladas e tinha estudado durante 18 anos sobre sua profissão antes de escrever seu concerto No 9, com 21 anos.

Os melhores atletas não se tornam especialistas no que fazem simplesmente treinando; eles alcançam o sucesso com muita prática. As diferenças entre artistas experientes, criativos, e profissionais normais refletem uma longa persistência em um esforço deliberado e proposital para melhorar o desempenho.

Tiger Woods começou quando tinha 2 anos de idade. Serena Williams começou a jogar com 3, Venus Williams com 4. Eles se comprometeram com uma profunda imersão na prática.

Conquistas incomuns requerem um nível incomum de determinação e uma quantidade enorme de fé mesmo quando você falha. Você precisa de uma conexão mais profunda para continuar no mesmo caminho por anos.

Qualquer um pode conquistar maestria com a prática.

Com esforços consideráveis, específicos e sustentáveis durante um tempo, você pode fazer a maior parte das coisas que tem dificuldade. Você só se tornará o especialista que quer com prática deliberada.

Prática deliberada pode fazer milagres na sua mente.

Um Gênio precisa de um esforço extraordinário

Um gênio costuma ser identificado pela perseverança, concentração, motivação, e foco absoluto naquilo que fazem bem. Dedicação em um nível incomum é requisito para alcançar a maestria.

Einstein possuía uma inteligência extrema mas ele genuinamente amava sua busca pela Relatividade. Ele estava constantemente curioso e disposto a considerar novas ideias radicais. Ele dedicou uma grande porcentagem dos seus anos produtivos em busca da teoria da relatividade. E isso significava tudo para ele.

“É complicado explicar como um gênio ou especialista é criado e por que isso é tão raro,” diz Anders Ericsson, professor de psicologia na Universidade Estadual da Flórida. Em seu livro, Peak: Secrets From the New Science of Expertise, ele diz, “habilidades deterioram gradualmente diante da ausência de esforços deliberados para melhorar,”

“Mas não é mágica, e não é de nascença. Isso acontece porque coisas críticas se alinham para que aquela pessoa com boa inteligência possa fazer esforços sustentáveis e focados para alcançar a maestria.

Começar é o ponto de partida

Brassaï, fotógrafo húngaro, uma vez perguntou a Picasso se as suas ideias vinham até ele “por acaso ou por esforço”, e Picasso respondeu: “Eu não tenho ideia. Ideias são apenas pontos de partida. Eu raramente consiga organizá-las assim que vêm à mente. Assim que começo a trabalhar, outras se afastam da minha caneta. Para saber o que vai desenhar, você precisa começar a desenhar… Quando me encontra encarando uma folha em branco, isso sempre está passando na minha cabeça. O que capturo além de mim mesmo me interessa mais do que minhas próprias ideias.”

Mozart estava imerso em uma cultura música e prática desde a infância—sendo isso citado frequentemente como chave principal para a criação de sua genialidade. Apesar de desafios pessoais, ele estudar muito sob orientação de seu pai para aprender as técnicas dos mestres Bach, Handel e Haydn.

Uma vez ele escreveu a um amigo sobre seu comprometimento com a música e disse: “As pessoas se enganam quando pensam que minha arte vem facilmente até mim. Eu asseguro a você, querido amigo, ninguém dedicou tanto tempo e pensamento as composições como eu. Não existe nenhum mestre famoso cuja música eu não tenha diligentemente estudado diversas vezes.”

Os Gênios São Curiosos

Nutrir e seguir sua curiosidade pode te ajudar a descobrir um trabalho significativo. Paixões nem sempre são óbvias mas curiosidade pode levar a descobertas incríveis. Siga sua curiosidade e você irá se espantar com onde ela pode te levar.

Em “Talento Não É Tudo”, John C. Maxwell garante que as habilidades naturais de uma pessoa são superestimadas e frequentemente mal compreendidas. Enquanto o talento é uma vantagem inegável, ele não conquista nada por si só.

Se o talento não forma um par com a mentalidade e as decisões corretas, ele se perde e evapora. Todos têm um dom—algo que fazem excepcionalmente bem.

Entretanto, as escolhas essenciais para se fazer na vida—além do talento natural que você possui—vão te diferenciar das várias pessoas tentando subir somente com o talento.

Colvin defende em Desafiando O Talento que prática deliberada, metódica e sustentável é a forma de alcançar a verdadeira maestria.

“Prática deliberada é difícil. Machuca. Mas funciona. Mais do que isso ela traz uma performance melhor. Muita prática traz uma performance incrível.” Colvin escreve.

A grande diferença entre você e Picasso ou Einstein, ou as mentes mais criativas do nosso tempo, é que eles abraçaram a longa estrada até a maestria.

Eles passaram mais tempo em frente a uma tela, ou guitarra, ou computador, aplicando suas mentes e almas naquela única coisa que queriam fazer. Muito do que pensamos ser talento natural é simplesmente o resultado de começar a prática mais cedo.

Para criar genialidade, seu programa de aprendizado precisa ser baseado na alta aplicabilidade de novas habilidades e conhecimento.

Resumidamente, genialidade se desenvolve durante anos de remodelagem diária das suas conexões neurais. Trabalhe duro, seja esperto e paciente. Persista em resolver problemas, e você vai encontrar sua brecha.

Continue Lendo

Mais >